Artigos

torcer

Ontem para a Liga das Nações jogou a Suécia x Portugal e na minha família de quatro, dois torciam por Portugal, uma pela Suécia.

Eu permanecia a ruminar da razão de torcerem – coisas!

os segredos de “o imortal nicholas flamel”

A saga “Os Segredos de O Imortal Nicholas Flamel” de Michael Scott foi quase toda publicada pela Edições Gailivro.

  1. O Alquimista – Os Segredos de O Imortal Nicholas Flamel
  2. O Mágico – Os Segredos de O Imortal Nicholas Flamel
  3. A Feiticeira – Os Segredos de O Imortal Nicholas Flamel
  4. O Necromante – Os Segredos de O Imortal Nicholas Flamel
  5. O Bruxo – Os Segredos de O Imortal Nicholas Flamel
  6. The Enchantress: The Secrets of the Immortal Nicholas Flamel (não publicado)

Apesar de ter parado a leitura destas aventuras continuo a tentar comprar todos os livros editados em Portugal.

Apenas me falta “O Alquimista” porque o ofereci/vendi ao meu cunhado.

a rainha ginga de josé eduardo agualusa

O novo romance de José Eduardo Agualusa, A Rainha Ginga, conta a vida fantástica de Dona Ana de Sousa, a Rainha Ginga (1583-1663), cujo título real em quimbundo, “Ngola”, deu origem ao nome português para aquela região de África.
É a história de uma relação de amor e de combate permanente entre Angola e Portugal, narrada por um padre pernambucano que atravessou o mar e recorda personagens maravilhosos e esquecidos da nossa história – tendo como elemento central a Rainha Ginga e o seu significado cultural, religioso, étnico e sexual para o mundo de hoje.  

Quetzal Editores

A Rainha Ginga é o ponte de partida e o ponto de chegada de todas histórias narradas por Francisco José da Santa Cruz, um padre Pernambucano. Ginga deslumbra com a sua postura e nesse seu andar contagia pessoas fascinantes que se cruzam e entrecruzam entre Portugal-Brasil-Angola.

Nos dias antigos, acrescentou, os africanos olhavam para o mar e o que viam era o fim. O mar era um parede, não uma estrada. Agora, os africanos olham para o mar e veem um trilho aberto aos portugueses, mas interdito para eles. No futuro, assegurou-me, aquele será um mar africano. O caminho a partir do qual os africanos inventarão o mundo

página 16

A Rainha Ginga é muito mais do que o coração desta obra é todo um universo:

O Paraíso deixara de ser para mim algo abstrato e remoto. O Inferno também. O Paraíso era ela e o ar que ela respirava, e o Inferno a ausência dela. A toda a volta só havia demónios.

página 68

Outro fantástico e muito sólido livro de José Eduardo Agualusa. A Rainha Ginga oferece uma leitura fácil e muito agradável.

o periférico de william gibson

Grande aposta da Saída de Emergência. Autor de culto, numa obra memorável.

A história é um verdadeiro puzzle que força o leitor a juntar as peças. Com uns primeiros capítulos a obrigar a uma segunda leitura (confusos), depois de perceber a mecânica e tomar uns apontamentos paralelos foi sempre a abrir.

O Perifério é um livro complexo: “Primeiro estranha-se, depois entranha-se” [1]


[1] O primeiro anúncio da Coca-Cola em Portugal, mais de 40 anos após o seu lançamento nos EUA, foi criado pelo poeta Fernando Pessoa, mas acabou por ficar apenas no papel por razões políticas.


Tradução de Luís Santos

coisas de futebol e de portugal

Primeiro: não me empolgam as conquistas de futebol da equipa portuguesa. Fico mais entusiasmado com o Campeonato Mundial de Corrida de Caracóis.

Segundo: vivo com alegria num país em que todos os políticos e agentes são mais que gente séria e idónea. Talvez seja o motivo para não me impressionar com os feitos futebolísticos. Só a seriedade solidária é um feito.

As pessoas sérias têm duas características:

  1. Todos dizem de si mesmo e dos outros “é pessoa séria”
  2. apesar de sofrerem todos eles de “falta de memória

Será, possivelmente, a falta de memória que os faz ser pessoas sérias? A amnésia selectiva é actualmente a doença profissional galopante entre esta gente.

Apesar de todos se sentirem ser gente séria acredito cada vez menos nesta gente e mais no Pai Natal.


_update: 15h13
Agora que visito um dos meus blogs de referência encontro isto.

festas e comemorações

Quando terminei a quarta classe a recompensa foi ter terminado a quarta classe.
Quando terminei o 6º ano (o ciclo) a recompensa foi um gelado Corneto.
Quando terminei… não houve nada.

Actualmente existe a festa de finalistas da pré-escola, do 1º ciclo, do 2º ciclo, do 3º ciclo, do secundário, viagens de finalistas, até do 2º ciclo. Já não chegavam, também, as festas de aniversário, de casamento, baptizado, comunhão, descobri, também, festas de divórcio. Para quando em Portugal as festas de funeral?

A vida é tão miserável que tenha que ser compensada com futilidades? As crianças, adolescentes, adultos, velhos precisam de comemorar qualquer feito por irrelevante que seja?

Estarei errado?

gato preto

Um gato a passear na aldeia de Castelo Rodrigo, Guarda, Portugal.

revista digital minatura #133, dossier vampiros

Retomamos por una segunda vez tan exitoso tema y ha sido un éxito rotundo de colaboración, quizás exponga a mis escritores –e ilustradores- a la maligna jauría pero ellos están perfectamente calificados para este encuentro y cuentan con una gran ventaja: La imaginación.
Como siempre damos las gracias por estar ahí: colaborando o simplemente leyendo estas líneas.
¡Gracias por leernos!

Ricardo Acevedo Esplugas y Carmen Rosa Signes Urrea

Tenho orgulho de ter publicadas duas histórias minhas na Digital miNatura #133.
Este número tem colaborações da:

  • Argentina
  • Bélgica
  • Brasil
  • Colômbia
  • Chile
  • Cuba
  • El Salvador
  • Espanha
  • Estados Unidos
  • França
  • Grão-Bretanha
  • Irlanda
  • Israel
  • México
  • Peru
  • Porto Rico
  • Portugal – com as minhas histórias
  • República Dominicana
  • Uruguai

As histórias são:

    • la tabla de tapas / the tapas plate
  • la familia caron / the caron family

sp-185

thirsty again por rafater

Não posso deixar de agradecer a Sandra Rodrigues e a Sérgio Araújo pelas traduções para espanhol e inglês respectivamente.

hino à gloriosa pátria e seus habitantes!

Entre Outubro de 1986 e Outubro de 1987 escrevi este tresloucado texto. Saiu no Barcelos Popular n.º 259 de 22 de Outubro de 1987.
O texto não faz muito sentido; eu devia estar completamente pedrado.

hino à gloriosa pátria e seus habitantes!

Mas que sei eu passado que são estes anos todos.

igreja matriz de escalhão

Pelo que me foi dado apreciar o interior da igreja aparenta estar em ruínas. Não tive a felicidade contudo de apreciar algumas sepulturas que foram “mudadas” para o cemitério adjacente.

igreja matriz de escalhão – figueira de castelo rodrigo

De qualquer forma esta igreja serviu de refúgio aos combatentes portugueses na Guerra da Restauração da independência de Portugal.

igreja matriz de escalhão – figueira de castelo rodrigo

Nas fachadas ainda são visíveis marcas de balas de canhão disparadas contra a igreja.

igreja matriz de escalhão – figueira de castelo rodrigo

[hr]

Algumas fotos da Igreja Matriz de Escalhão – Figueira de Castelo Rodrigo e alguns comentários. O possível não rigor histórico pode e deve ser relatado.