Tag Archive for: quetzal editores

23 Abr
23.04.2019 Quando sinto que me começo a afeiçoar a um lugar despeço-me e vou-me embora. Quem ama não sofre. Quem nada tem, não tem nada a perder. É o que penso.
Passageiros em Trânsito por José Eduardo Agualusa (pág. 13)

no interior: “passageiros em trânsito”

22 Abr
22.04.2019

Arte no interior do livro Passageiros em Trânsito de José Eduardo Agualusa.

Vinheta criada por Rui Rodrigues.


Referência ao papagaio Solilóquio do conto A Gargalhada.

cinco esquinas por mario vargas llosa

22 Abr
22.04.2019

O primeiro livro que tentei ler de Mario Vargas Llosa foi “A Festa do Chibo” comprado para ler durante a recuperação de uma sofrida intervenção cirúrgica. Não o consegui terminar porque decidi que precisava de uma leitura mais suave. Tenho um dia destes de pegar novamente no dito cujo.

Desta vez, sem quaisquer constrangimentos dolorosos, peguei no livro “Cinco Esquinas” e gostei. Gostei do suspense, das paixões, dos horrores, das denúncias, dos conflitos – uma excelente sátira de costumes.

Apesar de existir algumas personagens interessantes a exigir um maior desenvolvimento Vargas Llosa consegue com fácil destreza tratar da opressão política, da decadência moral, do papel importante do jornalismo; tudo isto bem misturado permite uma leitura bem divertida.

no interior: “cinco esquinas”

20 Abr
20.04.2019

Arte no interior do livro Cinco Esquinas por Mario Vargas Llosa.

Vinheta de um jornal por Rui Rodrigues.

fronteiras perdidas por josé eduardo agualusa

11 Abr
11.04.2019

Um interessante livros de contos. Alguns catitas, outros supra catitas.

No geral é uma leitura divertida. Peca por ser um livro pequeno – em tamanho.

babilónia por yasmina reza

10 Abr
10.04.2019

Tudo começa com uma festa de primavera em casa de Elisabeth e Pierre. Os convidados são sobretudo casais de meia-idade e, de entre eles, os vizinhos de cima formam o mais singular: o homem, Jean-Lino, de ascendência italiana e judaica, é uma pessoa comum, tímida, que conversa frequentemente com a vizinha de baixo; a mulher, Lydie, é uma figura exuberante que canta jazz num bar e é terapeuta em variadíssimas disciplinas new-age. Ainda que tão diferentes, parecem ser um casal relativamente equilibrado e feliz. A noite avança e com ela a festa, bem como a nossa observação dos convivas e seus comportamentos, acentuados pelo álcool, pelo desejo ou pela ocasião social.

Quetzal Editores

Livro delirante. Cínico, escorregadio, perturbador, sarcástico.

Uma boa leitura.

10 Abr
10.04.2019 O velho responde inclinando levemente a cabeça. Com as lentas mãos desdobra o lenço e limpa o suor da testa. O tempo enrosca-se aos seus pés como um cachorro vadio.
Fronteiras Perdidas por José Eduardo Agualusa (página 49)

Lindo.

no interior: “fronteiras perdidas”

10 Abr
10.04.2019

Vinheta criada por Rui Rodrigues para o livro “Fronteiras Perdidas” por José Eduardo Agualusa.

tradutora: sandra silva

08 Abr
08.04.2019

Sandra Silva é a tradutora do livro “Babilónia” e tem a mesma vinheta da tradutora Telma Costa, Artur Guerra e Cristina Rodriguez.

no interior: “babilónia”

08 Abr
08.04.2019

Arte no interior do livro “Babilónia” publicado pela Quetzal Editores.

A vinheta é de um copo de champanhe – a festa da Primavera.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!