Tag Archive for: quotes

18 Nov
18.11.2019 ‘That’s right, cheer me up.’
A smile flitted across her face. ‘Sorry. But it’s hard to think in terms of peace when you have a murdered city on one hand, the pent-up force of a hyperportal on the other, a closing army of nanocreatures somewhere just over the hill and the air awash with lethal-dose radiation.’
Broken Angels by Richard Morgan (página 269)

É o ponto de situação de uma história que não me está a cativar muito.

at the white heat?

08 Nov
08.11.2019

DARE you see a soul at the white heat?
Then crouch within the door.
Red is the fire’s common tint;
But when the vivid ore

Has sated flame’s conditions,
Its quivering substance plays
Without a color but the light
Of unanointed blaze.

Least village boasts its blacksmith,
Whose anvil’s even din
Stands symbol for the finer forge
That soundless tugs within,

Refining these impatient ores
With hammer and with blaze,
Until the designated light
Repudiate the forge.

Emily Dickinson, Complete Poems (1924) [Part One: Life – XXXIII]

A partir da leitura do livro Como a Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina.

Sentamo-nos a escrever, dia após dia, querendo que se reavive o fogo da invenção, que a alma chegue ao calor branco, como diz Emily Dickinson.

Antonio Muñoz Molina

07 Nov
07.11.2019 Um vez cometido, o erro continua a decorrer com uma obstinação irreparável, como o tiquetaque de uma bomba-relógio. Revivemo-lo depois com uma tal lucidez que parece mentira que não possamos corrigi-lo
Como a Sombra Que Passa de Antonio Muñoz Molina (página 247)

04 Nov
04.11.2019 In any agenda, political or otherwise, there is a cost to be borne. Always ask what it is, and who will be paying. If you don’t, then the agenda-makers will pick up the perfume of your silence like swamp panthers on the scent of blood, and the next thing you know, the person expected to bear the cost will be you. And you may not have what it takes to pay.
Broken Angels by Richard Morgan (página 89)

24 Out
24.10.2019 Never argue with stupid people. They will drag you down to their level and then beat you with experience.

17 Out
17.10.2019 A dor não traz nada de positivo neste processo de descoberta de si. Não aprendemos nada de essencial sobre a nossa intimidade ao voltar contra nós o impulso de morte e ao tentar transfigurar esse movimento em estética do sofrimento. Já nos basta o negativismo em pequenas doses injetadas naturalmente pelo real, não é necessário acrescentar energia negra e malévola.
Teoria da Viagem. Uma Poética da Geografia de Michel Onfray (página 75)

17 Out
17.10.2019 Quanto a mim, adoro o avião, que aguarda o seu Marinetti ou o seu poeta futurista antifascista, pois o avião induz uma outra metafísica, contribui para uma nova perceção do tempo e do espaço. Antes dele, estas formas a priori da sensibilidade kantiana deduziam-se fisicamente, hoje constatam-se experimentalmente: o tempo é espaço, velocidade, deslocação, é a translação num espaço intermédio, bem como uma perceção corporal e subjetiva, uma sensação individual e pessoal. Não há tempo absoluto, nem uma ideia do tempo face à eternidade ou ao movimento, mas apenas a pura consciência de si apreendida em durações variáveis.
Teoria da Viagem. Uma Poética da Geografia de Michel Onfray (página 67)

16 Out
16.10.2019 A VIAGEM COMEÇA NUMA BIBLIOTECA. Ou numa livraria. Misteriosamente, ali prossegue, na claridade de razões antes recalcadas no corpo. Assim, antes do nomadismo deparamo-nos com o sedentarismo das estantes e salas de leitura, ou mesmo dos lares onde se acumulam as obras, os atlas, os romances, os poemas, e todos os livros que, de uma forma ou de outra, contribuem para a formulação, realização, concretização da eleição de um destino.
Teoria da Viagem. Uma Poética da Geografia de Michel Onfray (página 27)

15 Out
15.10.2019 Os pastores percorrem vastas extensões, pastam os seus rebanhos sem preocupações políticas ou sociais (…) os camponeses instalam-se, constroem, erguem, edificam aldeias (…). O capitalismos pode nascer e com ele irromper a prisão. Tudo o que recusa esta nova ordem nega o social: o nómada inquieta o poder, tornando-se incontrolável como um eletrão livre e impossível de perseguir, logo, de fixar, de convocar.
Teoria da Viagem. Uma Poética da Geografia de Michel Onfray (páginas 14 e 15)

14 Out
14.10.2019 (…) Hands on a clock, numbers on a bathroom scale, weren’t they only ways of trying to measure invisible forces that had visible effects?
Elevation by Stephen King (pág. 16 e 17)
© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!