Tag Archive for: silêncio

02 Dez
02.12.2019 A componente mais importante da minha satisfação era um prazer animal: o caráter longínquo do local, a grandiosidade das montanhas de cumes planos e dos penhascos rochosos, a luz do Sol e a vegetação rasteira, os camelos que mal se viam ao longe, o enorme céu, o vazio e o silêncio totais, pois as areias planas e solitárias estendiam-se a grandes distâncias em redor destas ruínas decadentes.
Viagem Por África de Paul Theroux (pág. 108)

hotel silêncio de auður ava ólafsdóttir

04 Jul
04.07.2019

Jónas Ebeneser está no limiar dos quarenta e nove anos. É um homem divorciado, heterossexual, sem relevância social ou vida sexual. E tem a compulsão de consertar tudo o que lhe aparece à frente. Tomou recentemente conhecimento de que não é o pai biológico da sua filha. Isso despedaça-o e fá-lo mergulhar numa crise profunda.
Com grande mestria, num estilo poético e finamente irónico, Ólafsdóttir mostra neste romance a capacidade de autorregeneração de um homem que redescobre um sentido para a vida através da bondade, mesmo que o faça a partir das profundezas do desespero.

Wook

Este livro, Hotel Silêncio de Auður Ava Ólafsdóttir, foi uma deliciosa descoberta. Uma história apaixonante que fala das fraquezas humanas e da nossa capacidade de superação. Um livro sobre a vida e os relacionamentos.

O livro é espectacular e não é a bebida a falar!

04 Jul
04.07.2019

Passado um bocado, ela vai à casa de banho e, quando volta, diz-me:
— A torneira está a pingar.
No dia seguinte, há uma mensagem na mesa da cozinha: «Fundiu-se uma lâmpada do corredor.» É esta a natureza do nosso compromisso: eu transmito-lhe sofrimento, ela atribui-me tarefas.

Hotel Silêncio de Auður Ava Ólafsdóttir (página 67)

21 Jun
21.06.2019 — Fala do Jardim da Morte, bem sei.
— Sim, a Morte. A Morte deve ser tão bela. Repousar debaixo da terra, com as ervas ondeando ao vento sobre o nosso corpo, ouvindo o silêncio em toda a volta. Não ter ontem nem amanhã! Esquecer o tempo, perdoar a vida, estar em paz! Talvez possa auxiliar-me, abrir-me as portas da Morte, porque o Amor vive em si, Miss Otis, e o Amor é mais forte do que a Morte.
O Fantasma de Canterville e Outras Histórias por Oscar Wilde (página 44)

03 Abr
03.04.2019 Ouvir o silêncio – não é um jogo de palavras. No cima de uma montanha isolada, o silêncio tinha som.
A Morte do Comendador de Haruki Murakami (página 278, vol I)

03 Abr
03.04.2019 No silêncio da floresta, tinha a sensação de que podia ouvir a passagem do tempo, a vida a passar. Uma pessoa parte, outra aparece. Um pensamento afasta-se e outro toma o seu lugar. Uma imagem despede-se e outra materializa-se. Com o acumular dos dias, também eu me desgastava e refazia. Nada permanecia parado. E o tempo perdia-se. Atrás de mim, o tempo esboroava-se em grãos de areia, que se dissolviam um após o outro. Fiquei ali sentado diante do buraco, ouvindo o som do tempo morrer.
A Morte do Comendador de Haruki Murakami (página 268, vol I)

21 Fev
21.02.2019 O telefone toca, mas ela não se dá ao trabalho de atender. O seu novo telefone, como o seu novo gravador de DVD, é uma grande chatice. Costumava sentir-se ignorada quando as pessoas não lhe telefonavam, mas agora sente-se aliviada. O seu silêncio é preferível a confrontar opções.
Sobe a Maré Negra por Margaret Drabble(páginas (página 102)

08 Nov
08.11.2017 Na presença de uma recordação estropiada, o melhor era não nos lembrarmos de nada. Por isso, ficavam em silêncio, ele a olhar para o vazio, os dois sem um antes e seguramente nenhum depois, numa harmonia perfeita de inexistência.
Shylock É o Meu Nome de Howard Jacobson (página 48)

06 Nov
06.11.2017 A cidade, efectivamente, sorri apenas àqueles que se aproximam dela e que deambulam pelas suas ruas; a esses, ela fala numa linguagem tranquilizadora e familiar, mas a alma de Paris só se revela de longe e do alto, e é no silêncio do céu que se escuta o imenso grito patético de orgulho e de fé que ela eleva na direcção das nuvens.
Paris de Julien Green (página 23)

vi-te

04 Out
04.10.2017

Cruzamos por breves segundos. Foi uma explosão de silêncio.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!