Artigos

de lado – 0036

Por favor não digam que sou bom porque, assim, terei os canibais de olhos postos em mim. Não digam, também, que sou mau para evitar as visitas de qualquer evangelista.
Digam que sou assim e assim.

não sei a que horas me deitei, apenas às que me levantei, versão iii

Estava muito bem de tal forma que era constantemente pisado em Firelands quando visitas com relógios adiantados duas horas apareceram em minha casa.
Lá tive por um questão de segurança familiar (aka cuidado com a mulher) abandonar a raid e ir vestir-me nesta vergonha.

não sei a que horas me deitei, apenas às que me levantei, versão ii

Estava muito bem de tal forma que era constantemente pisado em Firelands quando visitas com relógios adiantados duas horas apareceram em minha casa.
Lá tive por um questão de segurança familiar (aka cuidado com a mulher) abandonar a raid e ir vestir-me nesta vergonha.

não sei a que horas me deitei, apenas às que me levantei, versão i

Estava muito bem de tal forma que era constantemente pisado em Firelands quando visitas com relógios adiantados duas horas apareceram em minha casa.
Lá tive por um questão de segurança familiar (aka cuidado com a mulher) abandonar a raid e ir vestir-me nesta vergonha.

os escolhidos: maio, 2011

  1. Passado que é mais um ano cá me encontro a percorrer o mesmo caminho; a arrotar bom dia, boa tarde, boa noite. Estou a ficar farto
  2. há mulheres mesmo muito boas… mas que são de plástico.
  3. está a ficar calor. e ela está começar a morder as unhas das mãos.
  4. foi-me dito que “hoje em dia tudo tem um preço; até as putas!”
  5. e lá estava ela (sim ela) hipnotizada a olhar para a estrelas do monitor enquanto coça a barbicha disfarçada por uma mal depilação.
  6. continua a chover; e eu que estive a pensar em vestir o meu lindo kilt.
  7. alguém é suficientemente suicida para dizer à mulher/amante que está com um ligeiro (pequeno, minúsculo) excesso de peso?
  8. vou escrever uma coisa muito, mas muito intima, mesmo, mesmo ora leiam: hoje sinto-me adocicado
  9. acordei mesmo agora. bastou colocar os óculos.
  10. e o dedo furava-lhe o queixo com aquela unha suja que usava para tirar cera das orelhas
  11. era chamado de urso sempre que ela se abafava naquele corpo felpudo. uma catarse de pêlo
  12. que inveja tenho daquelas mulheres que milagrosamente perdem peso passados que são 9 meses; eu continuo constantemente grávido!
  13. o lápis ameaçava uma imaculada folha branca com um risco. é um lápis anarquista. se ao menos fosse para escrever um poema.
  14. se os economistas se dedicassem a fazer desenhos o mundo seria um melhor lugar para viver
  15. fui acusado de não ter papas na língua! eu por acaso tenho culpa de ter sido treinado pela minha mãe a papar tudo e a não deixar nada?
  16. a aturar o canal panda. a filha faz desenhos. vê televisão. já é um sistema operativo multi-tarefa
  17. dizem-me que sou complicado; uma decisão rápida: entre o vodka martini e o dry martini vou por este último. sou de escolhas fáceis
  18. chegaram à conclusão que não sou maluquinho; sou mesmo doido.
  19. um bêbedo é como um pombo-correio sabe sempre o caminho para o pombal.
  20. chovia… um vizinho perguntou se não era melhor atravessar a rua a correr para se abrigar. respondi que assim se molhava mais rápido.
  21. Margarida, qual é a pessoa mais doida que conheces?, perguntei. És tu pai. E a seguir a mim?. Só tu pai, só tu é que és doido.
  22. ele não é simplesmente um chato; é um verdadeiro asno. zurra.
  23. existem pessoas que deixam crescer a barba por desleixo; eu não – a minha sobeja por uma questão de estilo. okay! fiquem bem.
  24. há visitas a blogs ao estilo “prostituta” – entram, e saiem satisfatoriamente anónimos.
  25. outras há ao estilo “coito interrompido” – antes de entrar já estavam de saída!
  26. ela puxava o lábio superior até o nariz beber da humidade labial; os dentes revelam-se em toda a sua magia amarela
  27. não me está a acontecer nada de especial. mas achei, apesar de tudo, dar a conhecer esta irrelevância.

from the perverse mind of paulo brito

guimarães, paços dos duques de bragança… como?

A regresso de casa de uns dias deliciosos de férias verdadeiras encontrei-me com familiares mais próximos em Guimarães.
Objectivo: redescobrir o Castelo, os Paços dos Duques de Bragança, a Penha e mostrar aos dois membros mais novos estas referências de Guimarães e soube depois que afinal um familiar do… “meio” se limitou nas suas visitas a Guimarães ao… centro comercial, enfim…

Apesar de reconhecer as dificuldades de tornar a visita dos Paços dos Duques de Bragança acessível a todas as pessoas fiquei verdadeiramente chocado com o que vi à entrada. Mas apesar de reconhecer esta dificuldade sei que é possível adaptar os monumentos com rampas provisórias e ascensores para as pessoas em cadeiras de rodas.

e rampas provisórias e ascensores para as pessoas em cadeiras de rodas?

Seria agradável que certo tipo de barreiras fossem reduzidas. Seria motivo de orgulho que os os Paços dos Duques de Bragança fosse incluído no grupo “Monumentos UNESCO sem barreiras”.

Este post é apenas mais uma chamada de atenção para “certas” desigualdades.

visitinhas…

Os motores de pesquisa trazem de vez em quando visitas a este MEU cantinho pelas procuras mais esquisitas.

Um exemplo é a imagem que ilustra este post.
Linguado…? hummm…. peixe não é a minha onda.

às minhas visitas

Quando iniciei este blog em 2005 (na sua versão porta VIII) foi com um único objectivo: ter um diário virtual à minha medida. É um blog que não tem um fio condutor regular, nem vive de um tema (livros, informática, jogos, etc). O blog vai crescendo de acordo com os meus gostos. De acordo com os meus apetites. É ’tá claro um blog muito intimista a fugir para o “underground“.

Não foi um blog criado para partilhar ou trocar experiências. Não é um blog a ser descoberto. É o meu playground privado.
A verdade, contudo, é que começou a receber visitas desde o primeiro dia da sua publicação. Mas aqui sou dono e senhor (por isso aquela visita que ficou aborrecida por não encontrar porno na categoria erótica que vá slapping the monkey para outro e qualquer lado).

E apesar de não estar a escrever para “outros” devo informar que estou a rever pacientemente todos os posts antigos e actualizar alguns que apontam para dead links. Nesta revisão vou guardar todas as imagens no próprio site sem qualquer link externo para evitar futuras mortes virtuais.

Todas as mexidas que ocorram serão devidamente comentadas.

Com este post acho que me reconcilio com os meus visitantes regulares.