Tag Archive for: warcraft

blue sparkles de sissy pantelis e vurore

16 Jan
16.01.2017
blue sparkles

here I am

I usually read accompanied by the sound of good music. I almost always choose between a touch of jazz by the master Chet Baker or I lazily listen to the Stabat Mater of Dvořák. After all they are the CDs that are almost stapled to my old CD player. These musical choices did not work with Blue Sparkles by Sissy Pantelis. So, I read the book without sound and then in the second passage through the final lap – kaaapooooom, I chose Wrath of the Lich King (OST) for a new reading – magic!

… odd thoughts …

  • In the two spreads in which the prince ventures with his mother the rags of the fog create an atmosphere of perfect melancholy – secrecy.
  • The prince’s mount, “a bird” has brought memories of World of Warcraft. How can I ever forget the gryphons of the Alliance!
  • After the talk with Feather-Horn we have three spreads with so many, but so many details – delicious – that they alone raise the bar of what can be expected. Is the step bigger than the leg? No, it was not.
  • Throughout the book one can discover immense references to works of fantasy, just throw the cards and be very careful with the queen of hearts.
  • We have Firework Dancers, Pixies and even an owl piper. Ah! And Swan Knights… So much visual detail that each spread should be read-seen-seen-read repeatedly (loop-on mode) so that nothing gets lost – okay?
  • I do not know how the collaboration between the artist and the writer was; maybe healthily sick? Watch the first panel of the story; in the anguish of the mushrooms; how much they suffer from the fiddly music of the frogs – brilliant!
  • Individualized balloons that make the characters’ voices different.
  • The moon red spread is abysmal.

Blue Sparkles is a musical book. Mysterious. A kaleidoscope of text, image and sound. Venetian masks, apple, shoe, Hansel, snow, red hood, crows – explosion. TAM. TAM. TAM.

If I already loved Sissy, the inclusion of crows was a tasty “Nevermooorrre” that made me smile with my mouth open. Dear Poe.

TAM. TAM. TAM. And the drums come to life and set the pace. TAM. TAM. TAM, in the background. Here I go to the end of a love story … Will a good story have an unfortunate end? End. Beginning. Perfidia. Mistake. Con. End of the nightmare, perhaps? Intermezzo and opening of a new chapter with a rainbow that reminds me of the Bifrost bridge, but without the presence of the mighty Heimdall.

TAM. TAM. TAM. Books inside a book and we have a wonderful library, naturally full with books, but equally filled with the tree of knowledge and a cat and a rabbit, too – Alice where are you?

A book that I read quickly, but that should be slowly tasted as a dream of a summer night, right brother Oberon?

Here are my loose and incoherent thoughts. I can do much more with a story full of changes, turns, with the introduction of details and more details and more characters around the corner.

Blue Sparkles with texts by Sissy Pantelis and drawings by Vurore is a mesmerizing book. As hypnotizing as that brown butterfly that flies through the book spying the unfolding of the story

Are beauty and love not the most powerful magic?” – yes and also good books.

3 dias de cooldown

28 Fev
28.02.2012

O meu filho hoje questionou-me sobre a questão da ressurreição de Jesus Cristo. Afirmou que “não percebo muito bem essa ideia e além do mais morre e só aparece vivo três dias depois? – muito podre esta cena!“

Eu tento sempre explicar coisas inexplicáveis com bastante seriedade, e como tal disse-lhe:
– é simples. Estás a ver a cena do wow quando um char morre, mas realmente não morre? Fica em ghost?
– sim, respondeu.
– neste caso é a mesma coisa. A única diferença é que o Spirit Healer tinha um cooldown de três dias. O mais certo era ser um Spirit Healer com uma ligação dial-up.

warcraft: legends

02 Nov
02.11.2010

Terminei a leitura dos cinco volumes da série Warcraft: Legends editada pela Asa e só tenho a dizer coisas positivas. A primeira é, naturalmente, a edição dos 5 volumes da série. As outras coisas, e apenas fico por duas, são a excelente tradução e uma apresentação de qualidade em cada volume.

Fiquei sequioso por mais.

Recomendo a saga a qualquer pessoa que adore banda desenhada, fantasia de uma forma geral, e especialmente àqueles que já conhecem o wow como jogo.

1:08

12 Jan
12.01.2009

1º bitoque
Ontem à noite abri a porta do armário para me refastelar com uma taça de Kellogg’s All-Bran quando vi uma bolacha fora da embalagem. Órfã. Desaconchegada. Despida. Tive um momento de rara fraqueza e absorvi-a pondo fim à sua solidão. Reconheço que fui um fraco. Como o são aqueles fumadores que levam o cigarro até às suas últimas consequências. Mas em oito miseráveis lindos dias foi o único deslize. Perdoei-me logo ali e penitencio-me ainda agora disso.

2º bitoque
Acordei com sono e cansado. Deve ter sido do sonho. Sonhei que estava escondido num esconderijo subterrâneo, alvo de ataque por sei lá o quê ou quem. Senti a ameaça, mas nunca a vi. A merda do esconderijo não era nada bom, porque fui descoberto. E tive de fugir, juntamente com duas coisas boas, acho que eram boas, porque se não o fossem eu não fugia e lutava logo ali. Fugi para evitar danos colaterais, acho eu. E tive de fugir por um túnel escuro e apertado. E isso incomodou-me, porque fiquei em estado quase de acordado? e recriei o túnel colocando uma janela para o iluminar disfarçada com almofadas para a luz não me acordar. Nunca cheguei a entrar no túnel. Quando dou por mim estou a navegar num rio à procura das coisas boas e acordo com sono e nervoso. Com uma ligeiro incómodo na barriga característica única de nervosidade ou…

3º bitoque
Releio sempre um Zits na cama para relaxar.
Ontem a escolha, sempre, aleatória foi “Amuado, Aluado, Tatuado”. E enquanto lia as tiras das aventuras de Jeremy Duncan vinha-me ao pensamento os comportamentos do meu filho pré-adolescente. Que me fode a cabeça dia-sim-dia-sim. É um senhor. Um mestre na arte de me irritar. E ainda está na pré. quando estiver na adolescência como será? Terei em casa um “Zitsiano” ou algo pior. E azar dos azares não sei onde meti o livro de instruções do meu filho.

4º bitoque
Ontem, apesar de tudo, a minha casa esteve mais calma do que o habitual. Pude jogar um bocadinho de wow. Fiz umas quests em Icecrow. Outras em Scholar Basin. E como obtive um, aparentemente, melhor por staff causa do hit, quis melhorar a skill e fui deixar o hunter a bater no primeiro boss de Shadow Lab. Mas sem chave para entrar dei um salto a Sethekk Halls, matei o Talon King Ikiss. Fiquei, assim, com esse achivement e com o The Keymaster.

Eram para ser 8 bitoques. Fico-me pelos quatro.

© 1999.2019 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera
beam me up, scotty!